© 2014. Gracie Barra Beltrão. All Rights Reserved. Designed by Cleberson Vieira

Preciso ter todos os membros para treinar Jiu-Jitsu?

January 18, 2019

Há quem diga que sem um braço ou uma perna, seria impossível praticar a arte suave. Porém, há quem diga e faça acontecer o jiu-jitsu que para alguns pode parecer impossível.

 

Essa missão “impossível” ganhou um guerreiro que acreditasse e lutasse pela causa, Elcirley Silva.

Há 3 anos enquanto contava os dias para a alcançar a patente de capitão na Polícia Militar do Mato Grosso, a vida deferiu um forte golpe contra o então 1º tenente, Elcirley. Um grave acidente de moto tirou do militar a perna esquerda e a vontade de viver.

O mato-grossense se viu sem forças para continuar a vida. Diante da frustração de ter que se aposentar antes do previsto da carreira policial, “impossibilitado” de treinar e com medo da família rejeita-lo, dali pra frente, ele sabia que nada seria como antes, mas não conseguia imaginar como seria depois.

Dois meses se passaram após a amputação completa da perna e diferente do que ele havia imaginado, aquele pensamento de desistir de si ficou no passado. Com o apoio da esposa, amigos e da sua fé, Elcirley entendeu que o fim não havia chegado.

 

O primeiro passo para o recomeço veio com a retomada à trajetória nos tatames. Iniciada em 1996 – agora com algumas adaptações -, as aulas com o Mestre Frederico Pimentel continuaram e com elas todo o aperfeiçoamento necessário para continuar a caminhada nessa nova fase.

Apesar de treinar há tantos anos, competir nunca foi o seu principal objetivo na arte suave, mas em decorrência do novo desafio que se via enfrentando, Elcirley encontrou nas competições a oportunidade de mostrar ao mundo que valia a pena acreditar no que todos pensavam ser “impossível”.


“Na disputa pelo bronze o Sheik Mohammed estava assistindo. Após a luta, durante a premiação, ele veio até mim e perguntou o que eu estava fazendo lá, o que eu queria provar. Foi fácil. Respondi que o Jiu-Jitsu era Para Todos e que no país dele não era. Assim no outro ano nasceu a primeira competição do Parajiujitsu.”

 


De lá pra cá, muitos outros títulos vieram e com eles um nobre significado: representar e mostrar ao mundo que os paratletas na arte suave também existem e merecem o seu espaço. Além de viajar por diversos países competindo e lutando pelo “Parajiujitsu”, Elcirley é dono de escola – GB Barra dos Garças – MT, e ministra palestras motivacionais em cursos e faculdades. Sua resiliência e experiência inspiram centenas de pessoas, como nosso guerreiro compartilhou, “O Jiu-jitsu de forma adaptada me ajudou de maneira impressionante. Me senti vivo e vi que aquele sentimento era merecedor de todos que tinham mobilidade reduzida e que assim como eu, eles poderiam praticar e viver isso.”

 

Recentemente, Elcirley marcou presença na CIGB inspirando a todos com a palestra “Por quê não?” e honradamente foi graduado à Faixa Preta pelo Mestre Frederico Pimentel. Entusiasta do “Parajiujitsu”, o mais novo faixa preta da GB continua diariamente fazendo da sua missão um  lição de vida para todos!

 

 

 

 

 

 

 

 

Jiu-Jitsu é para todos!

 

Visite a nossa escola e conheça um pouco mais da arte suave!

Travessa Frei Deodato, 77, ao lado do Chiquinho Sorvetes!

Estamos lhe esperando!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Adaptado de http://graciebarra.com.br/2017/09/elcirley-parajiujitsu/

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload